sexta-feira, dezembro 29, 2006






Ano Luz. Um Ano Sempre Novo!

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=935

A euforia, os sons e as luzes da era nova!
Não freiam o caminho da rotação!
O homem almeja a Paz no coração...
...Nalgum jardim surgirá uma rosa!

Na contagem há luz que renova;
É o fim da rota de translação!
... Chegará à hora da renovação;
Em cada ação o espírito se aflora!...

Aos sons dos clarins de uma nova era,
A cavalgada segue... Não espera...
Urge força para a batalha vencida,

Então, contemplaremos o céu azul;
Ao mágico ruído, - o som de Blues!
Seguiremos, rumo à eterna vida!...

quarta-feira, dezembro 27, 2006




http://images.google.com/

Ela Quer...Eu Quero...

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=827

Um tic-tac rápido é bom pra nós;
Assim ficamos nus só no tic-tac...
Nós vamos ao vaivém bom e profundo,
Eu vou. Ele vai. Vamos. Tu bem queres...

O fundo é bom. Nus, somos um.
Vem pra mim. O mundo. Nós. Nus. Tudo.
Tic-Tac – Um vaivém frenético!
Eu e Tu. Tu e eu. Vamos, nus pro fim do mundo!

O vaivém sempre é bom e rápido
No tic-tac, fomos bem no fundo.
Vai e vem, louco! O mundo é só meu e teu.

Um tic-tac assim é puro aço.
Rápido!... Nós. Tu. Eu. Nus... Rápido!...
Explode mundo! Nus e despedaçados!...

Carlos,

Ribeirão Preto, 23 de setembro de 2003.
8h10 min.

O Sucateiro

Sucateiro
Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=1684


Pela ruazinha, catando latinha
A "baranga" passou com seu carrão;
Explodiu em meu rosto um torrão!
— Como pode a dama do medalhão
Com veste de nobre atropelar o pobre?

Faz algum sentido arriscar a vida
Por miga de lixo, restos de reais?!
Por que não estás entre os normais,
Sugando do bar as "brahmas" vitais?
— Vai-te reles, não vês que não tem vestes?!

A lida maltrata, a luta é ingrata:
Pedalo...Ininterrupto...—Ah, magrela!
Corto ruas, avenidas e vielas,
Não me importo com a donzela! ...
Com passos de mel segue o carrossel!...

O rolex lento corre contra o vento,
O rosto pintado a cor-de-rosa
Geme diante de espelho: — E agora?
Vive das lembranças de outrora
O amigo? — Agora é o teu jazigo!

Carlos,

Ribeirão Preto, 24 de setembro de 2005. 16h30 min.

sábado, dezembro 23, 2006

O Milagre da Rosa


Machado de Carlos






Eu estava só neste mundo turvo
Somente a gaivota do cais
levemente tocava os meus ais...
E chegaste de azul, - cetim de luxo!

Aticei teu alvéolo, e o sussurro
era a amostra dum amor de ás!
No ímpeto senti a deusa voraz:
- Eternizou-se uma forma de uivo!...

Sim, neste jardim, Rainha das Rosas,
Ando sobre as águas maviosas;
- Na passagem já estava escrito!...

Este presente é a alegria de ser
Os dias fenecerão no teu prazer;
- Tu és sonho?! - Tu és o Infinito?!


Ribeirão Preto, 23 de dezembro de 2006.
4h45 min.

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Natal Ilícito

Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=461

No Natal esqueço os minutos tortos;

Em silêncio curto o teu nobre canto;
Aos poucos dispo teu doirado manto
Entorpeço-me, alegre, em teu corpo.

O coração bate, compassado, absorto,
Aos sons de Natal canto no teu encanto;
— Hosanas!... – Perco-me no acalanto!
Tua silhueta de luz me deixa morto...

... Teu corpo nu... visto na neblina!...
Sorvo da hora, minha menina; ...
Serás sempre o meu Natal de vida!

Quero-te para sempre, eterna viagem;
Vivo nesta incrível paisagem!...
... Não acordarei desta paz infinita!...

quinta-feira, dezembro 21, 2006

Céu e Mar

Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=1935



... E ela veio! Do Sublime azul do Céu!...
Estático, e, ao som do seu cantar
pude ver sua imagem no meu mar,
tresloucado, nas marés... Ao léu...

Seu semblante; – um pote de raro mel!...
Inexplicavelmente a delirar
sorri... E naveguei no verbo amar!...
Silente - beijei seus lábios de mel!...

Enfim, chegou o fim da ventania!
Renasci noutro corpo... Novo dia!...
Ela abriu portas... Ela é a mensagem!...

Distante posso sentir seu perfume
que na escuridão serve de lume;
renovado, respiro nova aragem!...

Carlos,

Ribeirão Preto, 21 de dezembro de 2006.
2h14 min.

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Clímax

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=152

Os cálices tilintam com teor de málaga;
Sinto o aroma, soma ansiosa... fim do dia!
Subtraio teus trajes, exímia malícia!...
Com faro requintado... minha alegria!

Acaricio com nobreza, lindas nádegas!
Contemplo-te em decúbito!... Quem diria?!
Proferes verbos, deleites pela eficácia;
Desfruto de teu fervilhar úmido, com maestria.

Toco tuas pétalas. Chegas a delirar!...
Na viagem de ida e volta, antro a bailar.
Com a língua em fogo, dou-te a vitória!

Curto tua essência aromática com arte;
Pelo meu requinte, clamas pelo baluarte;
Atendo tua volúpia, no momento da glória!...

Bico de Pena 1

Bico de Pena

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Meu Cisne



Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=742

O´ Cisne branco de voz tão pura!
Nesta tristeza, chegaste de mansinho;
Embebi na tua paz, no teu carinho;
Esqueci o pretérito de amargura!


Ouço tua cantiga... É só ternura
a alumiar o meu denso caminho!
Transformaste em flor o meu espinho;
Não sofro mais na noite escura...


Ah! Cisne branco, eu queria apenas
acariciar a tua face pequena,
que a minha existência abençoa.


Ah! Cisne branco! Teu perfume exprime
Este momento grande e sublime!
...nas tuas asas... meu espírito voa!...

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Ser Poeta
















Florbela Espanca

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

terça-feira, dezembro 12, 2006

Voltei, esqueci...

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=1081

O túnel é a antítese da história
Troquei o tempo, hirto, sem marcas...
Tomei a taça de anisete, - teu tudo.
Toquei a antologia; um antúrio, uma estrela...

Por um triz a tília tremeu, triste!
À tarde, ao horizonte, chorei o mito,
Lá estava o vestido hirto e esterno...
Beijei tua marca, teu tudo, a história...

Neste túnel está o nosso pretérito
Tenho a cicatriz e tua veste antológica,
mas o destino nos tolheu por um triz.

Tarde!... Fim do túnel. No horizonte
tomei a taça; letras da antologia!
Tens tudo, tu és o mito do tempo!...

sábado, dezembro 09, 2006

Amo-te!


Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=955

Ah, nosso amor!... ninguém poderá conter
o que nos enche o coração, cegamente...
- Amo-te! Amo-te! Como é bom dizer:
(mais que tudo) - Amo-te loucamente!...

Teu Corpo

Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=967


Meus plexos ascendem com tuas carícias...
Sem cessar mordo as pétalas da flor;
No vai-e-vem de um mágico beija-flor,
Lambuzo-me na tua rara delícia.

Trato teu corpo com suave perícia.
Teu grande sonho, agora, é multicor!...
A frase de quero mais sei de cor!...
Os movimentos são cegas malícias!

Nesta hora repito milhões de versos...
Esqueço o mundo do tal intelecto;
Só ouço a tua canção!... Um som de lira!...

Os detalhes... o teu corpo, - meu tema!...
No entanto perco o rumo do poema
Meu corpo no teu corpo só delira!...

terça-feira, dezembro 05, 2006

A Vida é Só Um Sonho!

ELA ESTAVA DE VERMELHO


Abriu-se a cortina! O coração de Osíris bateu fortemente! Lá estava ela; Ísis! Toda vestida de vermelho!... Ísis - a deusa - dançava só para ele. Um espectador exclusivo. A música escolhida a dedo por ela, unia o ritmo e o requebrado sensual. À medida que ela dançava despia-se lentamente, enlouquecendo Osíris com um estrip-tease estonteante. Ele, ébrio, tentava em vão tocá-la. Não era a hora. Ela se defendia com suas garras meio fera e meio deusa.

Quando ela tirou a última peça, exibia somente os sapatos vermelhos; de saltos altos que enriqueciam seus pés. Osíris já estava no auge da excitação.

Sem demora, seguindo a balada musical, ela se dirigiu ao seu dono como uma pantera, abanando sua anca umedecida pelo néctar do cio.

Como um animal esguio, caminhou com suas quatro patas, deliciou-se, cheirou as vestes íntimas de Osíris, e com os dentes afiados sugou seu sexo ardente.

A fera faminta engolia desesperadamente o objeto de ouro de Osíris levando-o às nuvens, numa viagem extática.

De repente escureceu a mente de Osíris, ele não conseguiu segurar a explosão; o fruto oriundo do seu prazer se espargiu sobre o rosto lindo de Ísis. E ela faminta, sugou o fruto daquele amor.

... E o amor dos semideuses continuou noite adentro...


Carlos,

segunda-feira, dezembro 04, 2006

Comentário




Não sou um grande leitor. Conheço muito pouco de literatura. Mesmo assim aventuro-me a compor versos. Começo ler muitos livros e paro nos intróitos. Os livros que mais gostei foram “O Meu Pé de Laranja Lima” de José Mauro de Vasconcelos; li o livro e vi o filme, um filme bem antigo que retrata de maneira mais íntegra do José Mauro de Vasconcelos, e, o outro livro que mais gostei e que cheguei ao fim foi Dom Casmurro, de Machado de Assis. Fiquei curioso e estático com o triângulo amoroso entre Bentinho, Escobar e Capitulina. Dos livros psicografados viajei muito em Há Dois mil Anos, Cinqüenta Anos Depois, Paulo e Estevão e Ave Cristo de Emmanuel. Apesar de tentar várias vezes, nunca consegui ler Memórias de Um Suicida, Renúncia e Os Irmãos Karamazov.

Chegada Feliz

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=816

Todos os domingos eram rosas...
Ela chega com o amor de sexta;
Ela vem, alegre, com o beijo rosa!
O fim-de-semana será um balé!...

Ela chegou! Já estou com saudades!...
Sete dias é soma de sete beijos;
... e todos vão ao balé do domingo...
...! Sete dias foram sete desertos!...

Até sexta será novo deserto;
O abraço é forte e dolorido.
No fim-de-semana ela diz adeus!

Será nó o abraço da saudade;
Chorarei no fim do dia!... Forte adeus!
Nova semana! – outras sete dores!...

domingo, dezembro 03, 2006

MENSAGEM



Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=1694

Numa tarde de setembro,
Inda lembro bem o dia,
Sem versos, sem harmonia;
Vi teu semblante feliz!
Meus tristes versos mudaram;
- Vi o quanto teu sorriso traz!...
- Teu beijo é o sabor de anis!...


Tua alma, hoje, padece
A dor da frágil matéria;
Diz o médico: - É sério,
Precisas de hospital!
É mister cuidar do corpo!
Tudo chegará ao seu tento
Envio mensagem ao vento:
— Mil vozes dum madrigal!...


... E o pesadelo passou;
Nem marcas, nem feridas...
Tudo é normal em tua vida;
— Podes seguir a missão!
Fico deveras contente...
Estou melhor com meus ais...
Os dias já são normais;
— Já tenho o teu coração!

SONETO DA LUZ



Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=1875


Os olhos não viram a nossa cruz!...
As horas de alegria e luz profana
eram as cores da nossa ciranda
e o grito de prazer... uivos!... - eia sus!...

Distante inda vejo a tua luz!...
viajo nas belas tranças de cigana
que um dia chegou como fera... - e gana! -
... começou o trajeto de Jesus!

Vivi dos sonhos raros de astronauta
esqueci a represa da noite alta,
e, escrevi versos em forma de arte!...

Hoje a estrela não sai da mente!...
Inda guardo na caixa a peça quente
com o cheiro; uma forma pra amar-te!...

sábado, dezembro 02, 2006

18 Horas de Amor!...

Enfim chegara o dia. Era um dia do mês de outubro. Dia 10. Orfeu lembrou-se de um compromisso distante. Reiteradas vezes ele adiara o tal compromisso. Usava pretextos mil para fugir dele mesmo. Em vez de viajar para aquele compromisso, iria encontrá-la. Estava tudo resolvido. Eurídice concordara com a idéia.

O primeiro encontro marcado por Eurídice, fora ocasionado pelo aniversário de seu filho; naquela ocasião Orfeu ficara assustado, pois conhecia Eurídice apenas por efígies cordialmente enviadas pelos mensageiros, e, certas vezes ouvira sua voz transportada pelo vento. Enfim, mal a conhecia! Entretanto outros encontros foram frustrados.

Algumas vezes Eurídice sonhava adentrar, com Orfeu, a mata selvagem, ou penetrar aos canaviais como loucos deles mesmos. O sonho? - um amor ilimitado! Um amor praticado ao ar livre; como duas feras enfeitiçadas pela natureza. Mas não houve tal encontro por forças desconhecidas. Entretanto, mais uma vez foram vítimas dos atropelos hodiernos. Devem ser aquelas coisas proibidas por Zeus e que os simples mortais tentam transpô-las.

Mas este, - o primeiro encontro - fora estudado minuciosamente, e, reciprocamente. Passaram a semana inteira contando dias, horas, minutos e segundos...

Orfeu e Eurídice planejaram um amor voluptuoso como o amor dos animais! Entregar-se-iam, sem pudores e sem limites. Orfeu daria a Eurídice um prazer jamais sentido por uma mulher.

Enfim, não houve falhas; numa sessão de loucuras e devaneios, entregaram-se reciprocamente. Transformaram-se num único corpo, numa única alma. Viveram emoções incríveis que oscilavam entre a Terra e o Céu!...

Zeus, em sua soberana sabedoria entendeu aquela união efêmera e proibida...


Carlos,

Cascata de Luz


Cascata de Luz

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=920

O vento mistura os cabelos soltos...
Bebo a taça com uva e Baccardi;
Beijo a sua marca, e, você só sorri!
Estou vivendo o momento, absorto...

Muito sonhara apenas com um pouco...
No seu muito, somente estremeci!...
Desde o primeiro dia... Só enlouqueci!
Só sei que você é o meu conforto.

Você está na poesia e na prosa,
Viajo no seu corpo cor-de-rosa!...
Tomo do cálice do amor com rum.

O seu prazer final é o meu brinde!
Trato o seu coração com requinte!
Sem ele, meu amor: - vou a lugar algum!...


Carlos,

sexta-feira, dezembro 01, 2006

CANÇÃO PROIBIDA

Machado de Carlos

Canta o pássaro todo livre e solto...
alimenta-se do amor de bem-te-vi;
preso, mas no verão ainda sorri;
nalgum inverno, foge, voa absorto!...

O vento sopra o lago pro sul,
poucas são as asas... No vôo estremeci!
...longe! À distância, enlouqueci!
ao norte, as penas são o meu conforto!...

Conto o inverno rude na livre prosa;
Não há flores, mas ainda tenho a rosa;
meu alimento, não obstante, é o rum.

No sul, canto no lago, o meu brinde!...
A ave voa para o amor...Um requinte!
...! Ah!... Nem pássaro!... Nem verão algum!...

Carlos,

terça-feira, novembro 28, 2006

Minha noite está na onda do fado...

Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=1829


Minha noite está na onda do fado...
Os pensamentos voam além-mar...
No firmamento procuro a estrela pra amar;
- sou a única voz que se embriaga!...

Na aurora boreal apenas divago!...
(Conformo!...) - já estou no mesmo luar...
- Um bem-te-vi não pára de cantar,
Feliz mergulha ao fundo do lago...

Quero que teu sonho seja só meu;
que o brilho do anel róseo-camafeu
não seja somente uma fantasia!...

Nos versos quero ser o cancioneiro
a vibrar às margens do ribeiro,
E oferecer-te esta simples poesia...

Carlos

domingo, novembro 26, 2006

O SONETO


Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=943


- I -

Ela vem toda de vermelho... Um tesão!
Uma silhueta!... Uma pose tão bonita!
No espelho, vejo-a nua... Está tudo escrito:
Ela é minha!... leio os lábios!... suas mãos!

No Jeans está o bailar da emoção,
Meu pensamento some no infinito!...
Beijo a pele negra. Perco os sentidos!...
Nas pernas roliças fujo à razão!...

- II –

- Beleza púrpura: - És diferente!...
Perco-me nos teus seios comoventes,
Beijo teus lábios, num gozo sem nexo!

Absorvo o perfume da tua flor;
E sem rumo me lanho no teu amor!
No ápice, morro no teu sexo!...

Carlos,

sábado, novembro 25, 2006

ALMA IRMÃ



Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=172

Navegava na tempestade fria;
Procurava quem me ensinasse o Sol.
— Oh! – Como eu era triste! Como sofria!...
Acolheste-me no teu amor maior.

Na tua meiguice vi o claro do dia;
Tudo se floresceu ao derredor!
Passei a viver horas de fantasias;
Hoje a minha vida tem mais cor...

No meu jardim cultivo uma rosa;
Ouço tua música!... Minh’alma cora!...
Tuas letras d’ouro... já sei de cor!

Peço a Deus, nunca esquecer teu perfume,
Com ele pude encontrar o lume,
Que me levará, um dia, ao teu esplendor!...


Carlos,

sexta-feira, novembro 24, 2006

O AMOR


Machado de Carlos

O tema central da minha poética é o amor. Em cada verso tento cantar o amor, da maneira mais sublime que a própria palavra. Uma palavra que ao meu ver, denota uma profundidade infinita. Quando amamos uma pessoa, queremos ver esta pessoa feliz. Ao notarmos a falta de felicidade nessa pessoa, fazemos de tudo para que ele seja feliz. Em contrapartida, o nosso egoísmo exige que aquela pessoa nos ame com a mesma intensidade. Aí, começamos a estudar cada movimento, cada frase, cada ato daquela pessoa; para encontrar respostas positivas ou negativas. Então, às vezes, nos deparamos com o ciúme, que é um jato de anticorpos, que emitimos, para proteger o nosso amor diante da nossa própria fragilidade. Mas o amor é a alavanca que move o ser humano. Não vivemos sem ele. Quando o amor nos falta, de um lado, sofremos. Perdemos o nosso sono. Perdemos o nosso equilíbrio, enfim. Quando encontramos a pessoa amada, o amor nos faz sonhar. Melhora nossa auto-estima. Nos faz sentir mais gente. O Sol nasce mais colorido. A Lua parece sorrir.Descobrimos a palavra saudade quando se está distante, e, é um sofrimento benéfico, quando temos a certeza de que somos amados. Ribeirão Preto, 29 de janeiro de 2004. 23h40 min.

O PÁSSARO


Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=1895


Um pássaro azulado estava preso em sua gaiola. A única comunicação com o mundo era um pombo correio-correio, que todos os dias, sem falta; passava por lá e lhe trazia notícias. Através dessa ida e vinda de correspondências uma linda pássara encantada conheceu o pássaro azulado. Ela conhecia apenas a sua letra. Adorava a letra do pássaro. Começou a lhe entregar, diariamente, muitas cartas. Nas cartas nunca deixava de elogiar as idéias do pássaro, preso na sua gaiola particular. De outro lado o pássaro não entendia bem aquele volume de cartas que entortavam o bico do amigo pombo-correio. Pudera, a passarinha escrevia coisas lindas! O pássaro foi gostando dessa idéia e se sentiu cativo de tantas cartas perfumadas. Certa vez, como prometera, a pássara encantada apareceu por lá. Apaixonaram-se. Foram felizes! Bem, a pássara era nômade e tinha a sua natureza. Contra a natureza não se deve lutar, não é? O pássaro azul também tinha a sua natureza, porém, era preso. A pássara encantada foi-se. Tinha lá outras visitas. Nunca mais deu trabalho ao pombo-correio, que todo dia chegava com o seu bico praticamente vazio. Só restava ao pássaro escrever mais cartas a esmo. Sentia a falta da pássara. Chorava, chorava, chorava!... Hoje voa livremente no Além-túmulo! Ribeirão Preto, 09 de janeiro de 2004 00h02 min.

quarta-feira, novembro 22, 2006

FIM




Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=977

Ele segue sem rumo, desnorteado!...
Perdido no tempo ainda é criança
Na memória há a menina de trança!...
Na condição de réu, fica calado.

O poeta morreu desesperado...
Deixou - de vez - uma eterna aliança;
Foram-se os sonhos e as esperanças;
Tudo ficou no arquivo do passado.

Um dia chegou com jeito de gana!
Pensou que seu mundo era só chama;
Quis abrir os arquivos da memória...

A vida mostra os desenganos,
Tudo se perde ao corroer dos seus anos,
A morte do poeta marca a história!...

terça-feira, novembro 21, 2006

Acalento


Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/texto.asp?idpi=1078

Canto teus olhos numa ode, menina!
Ouvi a tênue mensagem de cristal.
Quando estava na viagem espacial,
chorei ao som de tua voz cristalina.

- Uma carta chegou! - a letra domina,
a estampa tinha a marca da tua nau.
- Será que veio do mundo celestial?
Dela sorvi o perfume que ilumina.

Em dias fatigados tenho tua flor
Recebo forças... forças do teu amor!
... e navego feliz! É o teu mar...

Curvo-me, amor, ao poder da tua luz,
contemplo teu semblante no Céu azul...
Entorpecido, vou ao mundo estelar!...

Carlos,

sábado, novembro 18, 2006

ORAÇÃO


Machado de Carlos










Senhor, Vós que sois toda Luz Suprema,
Dizei-me, onde encontrar minha querida,
A mais bela flor da minha vida;
Que perfumou, um dia, minh’alma pequena?

Ela afagou-me nas noites serenas;
Curou os males... minha intensa ferida!
Mas foi-se sem adeus... sem despedida...
Hoje sofro na noite que envenena.

Vós que Sois de Infinita Bondade,
Apagai este véu, esta saudade!...
Preciso encontrar o meu coração!

Sei, a morte chegará na realidade;
Creio, Senhor, na santa imortalidade;
...E de alma livre chegarei à razão!

sábado, novembro 11, 2006

ESPÍRITO PROTETOR


Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=1006

Ela vem com singular alegria!
Espalha suas rosas ao amanhecer!...
Enriquece, sem tributos, meu ser,
com a voz afetuosa de um bom-dia!

- De onde vens, anjo, cheio de melodia?!
- Teu verbo harmoniza o meu viver!
Quando a jornada chega ao anoitecer,
Ela vem e abençoa o fim do meu dia!...

À noite, ela volta, e parte pro além!...
Será o sorriso de mais alguém...
Que ainda não tem a luta por vencida.

Outro dia!... Vou atrás da felicidade
Procuro, de novo, a sua bondade!...
- Donde vem esta alma tão querida?!...

terça-feira, novembro 07, 2006

SIMPLES



Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=1113


Caminhei... A maré salientava o teu canto.
Reencontrei o meu amor. Voltei ao tempo, à raiz!
- Incrível a tua flor! A tua boca de anis!
Sorvi teu beijo tépido qual ouro santo.

Tremi no teu balé! Tive a luz do recanto
Inspirei-me na cor. Resumi o teu matiz!
Amo-te com ardor. Gravo um verso feliz!
Nobres são teus pés. Tenho teu rosto de encanto!

...! e os astros do Céu?! A Lua iluminou meu anjo lindo,
com sua timidez nua nos abraça sorrindo!...
Os raios quase nus tocam tua veste – um sal!

Urge bela união. É o teu poema no cio...
Tenho teu coração e o amplexo no rio...
O momento é de luz. Tua alma é o meu fanal!...

terça-feira, outubro 31, 2006

ALTEZA











Alteza


Tua mão macia, magnífica, desata
Os botões malucos. Vejo-te nua;
E na doce malícia, doce Lua;
Acaricio tua madeixa coberta de prata.



Ah! Esta magia que o coração recata
No maior deleite, teu corpo flutua...
Desligo-me e ouço um madrigal na rua
Confundo a maré... Uma serenata!...



No teu gozo!... Eis a marca que revoa,
Que maravilha!... Meu espírito voa...
Sou teu súdito na maior primavera.


Que maciez tua pele... Teu grito...
É a soma na manhã, nobre mito!
Beijo a tua aura de luz na primavera!...

Machado de Carlos

Publicado em: Recanto das Letras
Número do Texto: T1210109

sábado, outubro 21, 2006

METADES


Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=167

Tua metade crava meu coração;

A outra metade, preenche de amor.

Uma metade me pinta de cor,

A outra metade é pura ilusão.


Tua metade; momentos de dor!...

A outra metade; linda canção!

Minha metade; pura solidão,

A outra metade; um verso, uma flor...


Minha metade se rende em prosa;

Uma metade de ti é cor-de-rosa!...

As duas metades; minha noite fria!...

Tua total metade é minha musa...

A outra metade; muito obtusa!

Uma metade de ti; noite vazia!...

quinta-feira, outubro 12, 2006

CONJUGAÇÃO


Machado de Carlos
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=1064


Tu és flor, o néctar do alvorecer!
Percebi tua voz. A voz da poesia!...
O infinitivo me deixou sem saída,
chegaste, envolveste meu pobre ser.

Minha boca se cala ao reviver tuas marcas,
ao raiar da nova vida:
Em coro, tua voz curou as horas feridas!...
... E o verbo serenou o anoitecer!...

Aplaudo tuas palavras de carinho,
elas fazem parte do meu caminho;
Olho para o espelho... Vejo outra imagem!...

Teus textos têm estirpe de nobreza,
cada letra tem alma de pureza!
Reconheço a paz de tua mensagem!...