quarta-feira, dezembro 20, 2006

Clímax

Machado de Carlos

http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=152

Os cálices tilintam com teor de málaga;
Sinto o aroma, soma ansiosa... fim do dia!
Subtraio teus trajes, exímia malícia!...
Com faro requintado... minha alegria!

Acaricio com nobreza, lindas nádegas!
Contemplo-te em decúbito!... Quem diria?!
Proferes verbos, deleites pela eficácia;
Desfruto de teu fervilhar úmido, com maestria.

Toco tuas pétalas. Chegas a delirar!...
Na viagem de ida e volta, antro a bailar.
Com a língua em fogo, dou-te a vitória!

Curto tua essência aromática com arte;
Pelo meu requinte, clamas pelo baluarte;
Atendo tua volúpia, no momento da glória!...

2 comentários:

paty disse...

Uma vitória recebida por uma língua de fogo, é bem mais do que uma vitória. É sem dúvida uma glória imensa! Lindo poema! Beijos

azoriana disse...

Que dizer deste poema? Lindo!